SINPRO-PE | SINDICATO DOS PROFESSORES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

A VIDA NÃO PODE SER TROCADA PELAS MENSALIDADES ESCOLARES!

Desde o início de junho que os setores empresariais da educação básica, vêm pressionando o poder público, visando a reabertura das escolas particulares e o restabelecimento do ensino presencial. Até cartilhas e protocolos foram distribuídos para as instituições, prometendo possibilidades e datas de retorno das atividades nas escolas particulares.

O fato gerou preocupação em diversos setores da comunidade escolar, sobretudo as famílias e professores(as), sobretudo por não concordarem com o retorno das aulas, mesmo de forma híbrida e com alternância entre as séries.

Preocupado com o fato, o Sinpro Pernambuco se fez presente em algumas reuniões junto a secretaria e conselho estadual de educação, externando atenção com os riscos de um retorno escolar precoce, principalmente se essa volta for justificada apenas pelo desejo empresarial, desprovida de fundamentações científicas ou em descompasso com os números relacionados a pandemia no estado.

A diretoria do sindicato vem se empenhando em conversar com a categoria, estudantes e seus familiares, a fim de colher opiniões sobre essa proposta de reabertura das escolas no contexto de pandemia. E na maioria das consultas, é perceptível que a comunidade escolar enxerga o retorno das aulas presenciais com receio e incerteza, mesmo consciente da existência de eventuais normatizações e protocolos para esse momento.

É válido pontuar que, alguns países tiveram suas experiências de reabertura escolar frustradas, visto um novo crescimento de casos da Covid-19 em suas populações.

Em Pernambuco, o departamento de estatística da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) divulgou alguns resultados, mostrando preocupação com o retorno das aulas presenciais. Já que o estado conta com mais de 50 mil pacientes com a Covid-19 e uma quantia superior a 4.300 óbitos em virtude da doença. Além disso, já superamos a marca de mais de um milhão de brasileiros(as) infectados, sendo hoje, um dos países com mais ocorrências do vírus, no mundo.

Dessa feita, O Sinpro Pernambuco, reafirmando a preocupação com a vida e a integridade da comunidade escolar, defende que só poderemos pensar no retorno das atividades pedagógicas de forma presencial, na observância das orientações sanitárias e científicas e na opinião de todos(as) que atuam, direta e indiretamente aos contextos escolares.

Não é correto que a reabertura das escolas se fundamente apenas pelo atendimento das pressões empresariais, justificadas por devaneios econômicos e desprovidos de orientações embasadas na expertise da comunidade científica. Afirmar que as escolas particulares terão os devidos cuidados não basta! É preciso responsabilidade, pois a vida, a saúde e a integridade dos (as) professores (as), estudantes e trabalhadores(as) da educação, não podem ser substituída pela ânsia às cobranças das mensalidades escolares!

Comentários

comments