SINPRO-PE | SINDICATO DOS PROFESSORES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

PROFESSORES EXPOSTOS E CONTAMINADOS QUANDO VÃO ÀS ESCOLAS

Com muita preocupação, o Sinpro Pernambuco tem recebido informações de professores (as) que estão sendo infectados (as) pelo novo Coronavírus. E tudo leva a crer que esses profissionais contraíram a Covid-19 (alguns apresentando sintomas graves da doença) quando, em maio, tiveram que se deslocar, de suas casas até as escolas que trabalham, para gravarem aulas em vídeo.

É válido ressaltar que, o Sinpro Pernambuco, após reuniões com o sindicato patronal, orientou a comunidade escolar sobre o retorno das aulas nas escolas particulares, indicando que o trabalho docente deveria ser preferencialmente desempenhado no estilo home-office, ou seja, na produzido na residência dos(as) docentes.

Uma medida construída visando a proteção da integridade e da saúde dos (as) professores (as) nesse período de pandemia. Contudo, não foi isso o entendido por algumas escolas particulares no estado. Infelizmente, desprovidas de preocupação com a vida dos (as) profissionais, muitas instituições investiram em estruturas de filmagens, obrigando que os trabalhos escolares fossem feitos nos estabelecimentos.

Vulneráveis e expostos, os professores (as) obrigados pelas determinações das escolas, tiveram que se deslocar de suas casas, alguns utilizando transportes públicos e assim, infelizmente, contraíram a Covid-19. É triste e revoltante reportar tal situação. Eis o nosso sentimento.

Lockdown: como fica a situação dos(as) professores(as)?
No dia 11 de maio, o governador de Pernambuco, por meio do decreto 49.017/2020, instituiu medidas mais intensas visando restringir o trânsito de pessoas e veículos no estado, a fim de conter a disseminação da Covid-19. E dentre as medidas adotadas, o governo considerou a atividade docente (preparo, gravação e transmissão de aulas pela internet ou por TV aberta e construção e planejamento de atividades pedagógicas em estabelecimentos de ensino) como uma das atividades essenciais para o período.

Dessa maneira, ao perceber o deslocamento do (a) professor(a) como uma ação inerente ao exercício de atividade essencial, visando a proteção apenas dos interesses das escolas, o governo não percebeu, embora com todos os cuidados e restrições postos pelo decreto, principalmente no Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, São Lourenço de Mata e Camaragibe, que terão rodízio de automóveis, que está, nessa quadra, expondo os(as) docentes ao novo Coronavírus, quando permite o seu deslocamento ao trabalho.

Preocupado com a medida, o Sinpro Pernambuco, protocolou no gabinete do governador o pedido de revogação do inciso XXVII do anexo I, do Decreto Nº 49.017 que permite que as escolas particulares convoquem professores (as) e profissionais da educação privada ao trabalho presencial em suas dependências.

As circunstâncias exigem esforços e cuidados redobrados, e nossa maior preocupação, nesse momento, é com a vida dos(as) professores(as)!

Comentários

comments